Mimo demais pode prejudicar dogs
Morávamos juntos eu, minha avó e o cachorro dela, o Nathan – sem raça definida. Desde sempre um e outro jamais se desgrudavam. Até que um dia a vó precisou ser internada para uma delicada cirurgia cardíaca.

Nathan refugiou-se sob a cama dela e de lá não saía. Estranhamos seu comportamento. Mas, dias depois, percebemos que ele estava não apenas saudoso da dona, como por igual não se alimentava. Quando o levamos ao veterinário era tarde. Se disse que morreu de tristeza. É possível que isso ocorra?

Fernando Baiardi: em partes. Quando humanizamos demais nossos cães, os famosos “mimos”, fica estabelecida uma relação de dependência perigosa que chamamos de dependência emocional. Tanto que, à nossa ausência, ele entra num estado de abandono. Há cães que ficam até violentos e mordem os outros moradores da casa. Como também há aqueles que se deprimem.

Como evitar essa relação de dependência? Não é tarefa fácil, mas o ideal é que, desde filhotes, tratemos os cães com menos mimos e mais liderança do tutor em relação a eles. Essa postura em relação aos cães líderes transmite segurança.

Passeios regulares com a guia na rua são importantíssimos elementos de aprendizado para eles pois ajudam a reforçar a nossa liderança sobre os mascotes.

Se o seu cachorro for mais velhinho e ainda mimado, é possível tentar reverter a questão da liderança, sempre a bordo de muita paciência. Se tiver dificuldades, procure um especialista para ajudá-lo.

Compartilhe!