Não despreze quem cuidou de você

 

Nós humanos – principalmente os que amam cachorros como a nossa turma do projeto Cão Ativo Club – convivemos ao longo da vida com muitos cachorros. Hoje, graças aos avanços da medicina veterinária e de formas alternativas de alimentação, a vida dos nossos amigos ultrapassa a expectativa de uma década.

Lamentavelmente há pessoas que percebendo a idade avançada dos seus animais os joga fora e troca por cachorros mais novos. Estes últimos, quando envelhecem, tem o mesmo destino. Um horror, uma desumanidade e crueldade. Ponto.

Mas vamos falar dos nossos amigos mais idosos. Se ao longo da vida um cachorro deve visitar o veterinário uma vez ao ano, quando a velhice chega essas visitas devem ocorrer a cada seis meses. Com o avanço do tempo os cachorros passam a ser alvo de alterações cardíacas, problemas ortopédicos, os rins passam a funcionar com maior dificuldade.

A velhice dos bichinhos também causa problemas cognitivos. Os bichos, que antes eram animados e brincalhões, se recolhem: mal brincam, se isolam. Alguns apresentam cegueira e surdez.

Para prevenir um quadro dramático como este, mantenha os passeios na rua com o seu pet. Se na juventude gastar energia é fundamental para acalmá-los, na idade avançada o princípio é o mesmo. Consulte o médico veterinário de sua confiança para saber quanto tempo o seu velhinho pode ficar na rua ao seu lado. É primordial não cansá-lo. Também evite arrastá-lo em caso de cansaço.

Outro ponto é a adoção de uma dieta rica em nutrientes. A Alimentação Natural (AN) é uma bela alternativa. E não esqueça: jamais abandone quem nunca abandonou você.

O que achou dessa dica? Curta, comente, compartilhe com seus amigos cachorreiros. E longa vida a eles.

Compartilhe!