Infelizmente, assim como nós, os cães não estão imunes a sofrer com problemas de saúde. No dia a dia da clínica veterinária, os acometimentos cutâneos são alguns dos mais recorrentes entre os pets.

Entre eles, a dermatite canina é, sem dúvidas, uma das mais frequentes. Em nosso bate-papo de hoje, descobriremos mais sobre essa doença!

Conhecer as principais doenças a afetarem a pele dos cães é fundamental para garantir a saúde de nossos melhores amigos.

Afinal, ao identificar os sintomas mais comuns e principais aspectos da enfermidade, fica muito mais fácil perceber que algo não está normal e encaminhar o pet ao veterinário.

E então, tudo pronto? A seguir, vamos descobrir o que é a dermatite canina, quais são as suas causas e sintomas mais comuns e, claro, saber como é feito o diagnóstico e o tratamento desse tipo de problema. Boa leitura!

O que é a dermatite canina?

Você provavelmente já percebeu que muitas doenças trazem, em seu nome, o sufixo “ite”, certo? Essa denominação está sempre ligada a processos inflamatórios no organismo em questão.

No caso da dermatite canina, portanto, estamos falando sobre um processo inflamatório que ocorre na derme, ou seja, na pele.

Para compreender melhor esse assunto, no entanto, precisamos abordar os principais tipos de dermatite. Afinal, esse é um termo muito amplo, que se refere a todo e qualquer tipo de inflamação cutânea que um cachorro pode apresentar. A seguir, destrincharemos melhor o tema.

Quais são os tipos de dermatite mais comuns?

Agora chegou o momento de descobrirmos quais são os tipos de dermatite que mais comumente acometem os nossos cãezinhos de estimação. Confira, a seguir, os principais:

  • sarna;
  • dermatite alérgica à picada de pulga;
  • alergias no geral;
  • micoses;
  • dermatites ligadas a problemas hormonais.

Quais são as principais causas da dermatite canina?

De modo geral, já vimos alguns dos principais agentes causadores da dermatite logo acima. No entanto, é preciso discutir um pouco mais sobre eles para que possamos identificá-los no dia a dia de nossos cães. Vamos lá?

A primeira causa para a dermatite é a presença de parasitas, como é o caso da sarna ou da DAPP, problemas extremamente comuns entre os cães. Eles são responsáveis tanto pelo desencadeamento de processos alérgicos quanto por lesões diretas, que podem inflamar de maneira generalizada.

Depois, os fatores do ambiente do pet também podem fazer com que a pele sofra, devido a sua grande extensão.

Alergias alimentares, por exemplo, longas exposições ao sol, presença de produtos de limpeza no local e muitos outros fatores podem ser responsáveis por isso. Além disso, o estresse também é um fator fundamental.

Por fim, aspectos fisiológicos também podem ocasionar dermatites nos cães. Um bom exemplo disso é a debilidade do sistema imunológico e problemas hormonais, causados por doenças endócrinas. O diabetes e os problemas na tireoide são bons exemplos.

Como podemos identificar esse problema?

Conhecer os sintomas das dermatites é algo indispensável para quem é tutor de um ou mais cães. Com isso, é possível identificar o problema muito mais rapidamente e, assim, oferecer um tratamento mais rápido e eficiente para o bichinho.

Os sinais mais observados em cães que sofrem com algum tipo de dermatite são:

  • vermelhidão na pele;
  • surgimento de lesões, crostas ou feridas;
  • coceira e lambedura intensa;
  • falta de apetite;
  • alopecia (queda de pelos).

Além disso, dermatites podem afetar outras áreas que têm uma certa conexão com a pele. Por isso, não é incomum observamos pets que sofrem com problemas oculares, nas unhas e até mesmo nos ouvidos, com episódios recorrentes de otites.

Qual é o método diagnóstico para a dermatite canina?

O médico veterinário observará o paciente e fará um exame físico completo, olhando o aspecto das lesões (se existentes).

Além disso, fará uma série de perguntas ao tutor, a fim de identificar aspectos do estilo de vida do animal que possam ser um indicativo da causa do problema.

Além disso, são feitos uma série de exames que podem incluir hemogramas e outros testes que o veterinário julgar necessário. Raspagens e citologias também podem ser necessárias para observar, em nível microscópico, o agente causador da dermatite.

Como é feito o tratamento?

O tratamento para uma dermatite dependerá de uma série de fatores, especialmente da causa do problema. Em casos de alergias, por exemplo, o fator determinante é eliminar o agente alérgeno da vida do animal. Já em casos de sarna, precisamos acabar com o ácaro causador, e assim por diante.

Por isso, o tratamento direto dependerá do caso particular do animal. No entanto, o tratamento para os sintomas geralmente é bastante semelhante e envolve banhos com shampoos ou sabonetes medicamentosos, além de pomadas e até mesmo medicamentos administrados por via oral, como antibióticos e anti-inflamatórios.

É possível prevenir a dermatite canina?

Nem sempre é possível prevenir esse tipo de problema, mas uma série de medidas podem contribuir para a diminuição considerável das chances de um cachorro apresentar dermatite ao longo de sua vida.

A higiene é, sem dúvidas, o primeiro fator fundamental para manter esse problema bem longe. Os banhos dos cães devem ocorrer com o espaço ideal para sua raça e suas necessidades, já que lavagens em excesso ou insuficientes podem fazer mal para a pele. Esse intervalo será determinado pelo médico veterinário.

O ambiente, por sua vez, também precisa estar limpo e, claro, livre de parasitas. Pulgas e carrapatos precisam ser eliminados do local em que o cão vive e o ambiente deve ser devidamente tratado. Cuidados com escovação e outros também devem ser frequentes.

Por fim, oferecer uma boa alimentação para o cãozinho e levá-lo para consultas periódicas com o veterinário são outras boas maneiras de garantir que a sua pele fique sempre saudável. Isso não só estimulará o seu sistema imunológico, como identificará possíveis doenças logo no início, evitando que elas possam afetar a região cutânea do animal.

Como podemos observar, a dermatite canina é um problema bastante abrangente. Por isso, a consulta com um veterinário de confiança é indispensável para a identificação do tipo do problema e, consequentemente, a prescrição de um tratamento realmente eficaz para o seu melhor amigo canino!

A pele não é a única a ser afetada nos cachorros. Para conhecer ainda mais sobre a saúde dos cães, confira o nosso artigo sobre a gengivite canina e confira quais são os principais cuidados que precisamos ter com as gengivas de nossos amigões!

Compartilhe!

Um Cão Ativo é um Cão Feliz!

Cães precisam exercitar corpo e mente, assim como nós.
Cães ativos são mais sociáveis, calmos, inteligentes e saudáveis.
Leve seu cãozinho para passear, faz bem para vocês dois =D

Produzido por Doglovers!