Hoje eu e a Ianca comemoramos o sucesso do projeto Cão Ativo

 

Claro que o início foi bem complicado pois este mercado, além de não existir naquela época, não tinha clientes com a mentalidade voltada para pagar alguém a sair com seus cães. Esse serviço, se feito, era executado por empregadas, motoristas ou os próprios “donos”, que saiam com seus dogs quando podiam.

Daí que meu primeiro passo no mundo pet foi fazer cursos de adestramento (apesar de não ser a área de meu interesse) e a trabalhar com treinamento e transporte de cães a veterinários e clínicas de estética.
Nesta mesma época, em meados de 1995, fiz alguns anúncios em uma revista de grande circulação falando de meu trabalho de dog walker e apareceram alguns interessados em regiões bem afastadas umas das outras.

Sem vacilar, eu ia até os clientes, fazia a entrevista e fechava o serviço. Ficava diariamente de um lado para o outro, zona sul, zona norte e região central de São Paulo. Aproveitava quando estava em cada região para abordar donos de cães e conversar sobre meu trabalho e sobre a importância de atividade física e mental na vida dos cães.

As indicações foram acontecendo e, com o passar do tempo, formei núcleos de atendimento por regiões, pela manhã na região do bairro do Morumbi e a tarde pela região do bairro de Higienópolis.
Como este serviço despertava muita curiosidade, pois as pessoas viam um profissional de uniforme, equipamentos de condução nas mãos, cães obedientes, normalmente quatro ou até seis cães nas guias, caminhando todos os dias pelo mesmo local com chuva ou com sol, acabavam por ficar intrigadas e questionavam “você vive disso?”.

Essa mesma curiosidade me trouxe algumas reportagens neste inicio de atividade por volta de 1995 o que foi de grande importância para meu negócio deslanchar. Uma delas, a da “Revista Folha de São Paulo”, me atribuiu o título de “primeiro dog walker do Brasil”. Isso impulsionou ainda mais o negócio.
Nunca foi preciso procurar publicidade. Minha história saiu em grandes mídias como jornais, revistas e TV, daí para frente foi só trabalho e constante aperfeiçoamento.

 

Compartilhe!