Fox com ares de professor
Ele foi meu primeiríssimo cachorro. Eu o chamada de Bobby. Meu avô materno o chamada de Jagunço. Minha mãe de Kissy. E ele atendia a todos, generoso. Era um cachorro de pequeno porte. Podia-se dizer que era um Fox. Mas eu diria que não tinha raça definida.

Chegou em casa de ônibus de linha, viajando na bolsa de minha avó materna. Ao sair da bolsa para os meus braços, Bobby fez seu primeiro e escandaloso xixi.

Como eu fosse muito arteiro, eu vivia apanhando. Mas encontrei no Bobby um defensor e tanto. São incontáveis as vezes em que ele se interpôs entre minha avó materna e eu evitando assim que eu levasse uns merecidos cascudos.

Quanto às visitas, ele amava ser receptivo no começo para, à saída de casa, afiar os dentes em seus calcanhares.

Em dado momento, muitos anos depois, meu primeiro cachorro tornou-se atração na nossa rua pela idade avançada. Amigos meus o chamavam de Mestre dos Magos pois se dizia dele que, de tão pacificado com a idade, flutuava no ar. Era uma homenagem ao personagem mítico do desenho Caverna do Dragão, uma febre na época.

Ficou com nossa família por longevos 20 anos. E eu diria que até hoje segue no coração da gente.

#caoativoclub

Compartilhe!